Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal
https://www.facebook.com/Alpiarca
Prev Next
Comemorações do 5 de Outubro de 2016 em Alpiarça

Eventos

Comemorações do 5 de Outubro de 2016 em …

. . . . . . Comemorações do 5 de Outubro - Alpiarça 1910-2016   VÍDEO ILUSTRATIVO DA ATUAÇ&...

Read more
PRÓXIMA REUNIÃO DE CÂMARA REAGENDADA PARA O DIA 7 DE OUTUBRO

Eventos

PRÓXIMA REUNIÃO DE CÂMARA REAGENDADA PAR…

  Torna-se público através do EDITAL N.º 66/2016 que a data da Reunião de Câmara, anteriormente pré agendada para o dia...

Read more
OUTUBRO SÉNIOR 2016 EM ALPIARÇA

Eventos

OUTUBRO SÉNIOR 2016 EM ALPIARÇA

    OUTUBRO SÉNIOR 2016 EM ALPIARÇA   Dia 08 Encontro Cultural de Associações Sénior  16h00 ...

Read more
DISTRIBUIÇÃO DE LISTAS TELEFÓNICAS

Notícias

DISTRIBUIÇÃO DE LISTAS TELEFÓNICAS

  DISTRIBUIÇÃO DE LISTAS TELEFÓNICAS     ...

Read more

Agenda

Mo Tu We Th Fr Sa Su
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça

José Relvas

A Casa dos Patudos foi residência de José de Mascarenhas Relvas, este nasceu a 5 de março de 1858, na Golegã, numa família de proprietários rurais.

Sobre a sua formação, sabemos que frequentou a Universidade de Coimbra entre 1875 e 1877, mas foi em Lisboa que veio a concluir o Curso Superior de Letras em 1880, com uma tese sobre direito feudal.

A 5 de fevereiro de 1882, casou com Eugénia Antónia de Loureiro da Silva Mendes. O casal teve três filhos, nenhum dos quais sobreviveu aos progenitores: Maria Luisa de Loureiro Relvas (1883 – 1896), Carlos de Loureiro Relvas (1884 – 1919), João Pedro de Loureiro Relvas (1887 – 1899).

A Casa dos Patudos foi residência de José Relvas desde os finais do século XIX até 1929, data da sua morte. Político, diplomata, estadista, lavrador, colecionador de arte e músico amador, José Relvas, proclamou a República a 5 de outubro de 1910.

José Relvas ocupou-se da gestão das propriedades da família a partir de 1882, tinha apenas 23 anos. O nome Quinta dos Patudos deve-se ao facto de existirem, naquela zona, muitos patos.

Foi Ministro das Finanças no Governo Provisório da República entre 1910 e 1911, tendo sido ele que instaurou o escudo em Portugal, foi embaixador de Portugal em Madrid e ainda na política, destacou-se como Chefe de Governo e Ministro do Interior (1919).

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A Casa dos Patudos

A escolha do Arquiteto para a Casa dos Patudos não terá sido difícil. José Relvas percebeu que Raul Lino, dotado de uma cultura europeia marcada pela robustez dos seus critérios e competências, representava o triunfo de um novo paradigma arquitetónico e de que a Casa dos Patudos haveria de ser o seu primeiro exemplar.

Os Patudos assinalam uma nova linguagem de Arquitetura Conceptual. Apropriada de referências nacionais, afirma-se com um certo despojamento decorativo exterior, mas esplendorosa e funcional nos seus espaços interiores, com um mobiliário, criado também pelo referido arquiteto.

O contínuo crescimento das coleções, levou José Relvas à remodelação da Casa. Em 1904 encomendou a Raul Lino, o projeto assente numa linha revivalista e nacionalista, fiel às constantes históricas da nossa tradição construtiva.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A Coleção

A Casa dos Patudos foi inaugurada, como Museu, em 15 de maio de 1960. Aqui, encontra-se uma requintada sensibilidade artística, desde o mobiliário, às porcelanas, pinturas e tapeçarias que constituem o núcleo principal das obras de arte da coleção de José Relvas.

Na Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça, encontra-se uma rica e vasta coleção composta por pintura, escultura e artes decorativas. Na pintura portuguesa destacam-se: Silva Porto, José Malhoa, Columbano Bordalo Pinheiro e Constantino Fernandes, além de notáveis artistas de escolas estrangeiras. Podem, ainda, ser apreciadas porcelanas de Sèvres e de Saxe, azulejaria, peças da Companhia das Índias, cerâmicas da Fábrica das Caldas da Rainha (Rafael Bordalo Pinheiro), Rato, Bica do Sapato e Vista Alegre (primitiva) e bronzes de Chapu, de Mercié e de Frémiet.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Arquivo Histórico da Casa dos Patudos

Pesquisa documental disponível em:

http://bma-catalogo.alpiarca.pt/docbweb


Projecto apoiado e co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian

O Arquivo Histórico da Casa dos Patudos preserva um acervo documental legado por José de Mascarenhas Relvas (1858-1929). Por testamento lavrado em 1928, José Relvas legou a Quinta dos Patudos, a Casa, a colecção de arte, a biblioteca e o arquivo, ao Município de Alpiarça, impondo que a residência fosse conservada como museu e mantivesse a designação de Casa dos Patudos.

O acervo documental foi alvo várias intervenções parciais desde a década de 70 e motivou interesse da parte de investigadores da I República. Mas o trabalho sistemático realizado desde Abril de 2007, revelou a existência de importantes núcleos documentais relativos às actividades pessoais, políticas e empresariais de José Relvas e de alguns familiares e permitiu a visão geral de um conjunto documental que se revelou mais complexo e rico do que o que inicialmente se pensava. Constatou-se que a Casa dos Patudos conserva um Centro de Documentação, que integra um arquivo documental produzido por quatro gerações de Relvas, constituído por mais de 100.000 documentos; um Arquivo Fotográfico, com cerca de 5000 fotografias e Colecções (postais, menus, recortes de jornais, programas culturais e catálogos de exposições), além de uma biblioteca com cerca de 7.000 volumes e mais de 15.000 publicações periódicas.

O Projecto “Trabalho do coleccionador José Relvas”, apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito das bolsas de apoio a Arquivos Históricos permitiu a recolha sistemática, a sua classificação, digitalização e disponibilização para consulta on line de documentação relacionada com a actividade de coleccionador. São documentos dispersos por 10 séries documentais que reflecte a aquisição e a venda de objectos artísticos, os contactos com os artistas, antiquários e leiloeiras e a construção da Casa dos Patudos. A Casa que José Relvas mandou edificar a partir de 1905 para dar uma morada condigna à sua colecção de arte.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Contactos

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça

Rua José Relvas

2090-102 Alpiarça

Telf. 243 558 321
Fax 243 556 444

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Facebook: https://www.facebook.com/Casa-dos-Patudos-Museu-de-Alpiar%C3%A7a-318070581554575/

Blog: http://casadospatudos.blogspot.pt

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Horário de Funcionamento

Expediente: 9h-12h30 / 14h-17h30


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Museu e Loja

Horário:

Terça a Domingo
verão inverno
10h00 - 12h30
14h00 - 18h30
10h00 - 12h30
14h00 - 17h30

Encerra:

- à 2ª feira

- e nos dias: 1 de janeiro; domingo de Páscoa; 2 e 25 de abril; 1 de maio e dia de Natal.


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Preçário
2,50 Euros - entrada por pessoa
1,30 Euros - entrada por pessoa em grupo, previamente marcado.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Loja
Publicações, postais, réplicas e peças de artistas contemporâneos.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Biblioteca
Especializada em História e História de Arte.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Arquivo Histórico
Reúne documentação escrita e materiais fotográficos da História Contemporânea de Portugal.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Serviço Educativo
Visitas guiadas para o público em geral. Programas especiais de animação cultural e pedagógica, sobre coleções e exposições temporárias destinadas à comunidade escolar.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Atividades Temporárias
O Museu organiza exposições temporárias no âmbito das suas coleções, de outras e sobre História Local.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Polo Enoturístico
Capacidade - 200 Pessoas.

.