Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal

Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça

José Relvas

A Casa dos Patudos foi residência de José de Mascarenhas Relvas, este nasceu a 5 de março de 1858, na Golegã, numa família de proprietários rurais.

Sobre a sua formação, sabemos que frequentou a Universidade de Coimbra entre 1875 e 1877, mas foi em Lisboa que veio a concluir o Curso Superior de Letras em 1880, com uma tese sobre direito feudal.

A 5 de fevereiro de 1882, casou com Eugénia Antónia de Loureiro da Silva Mendes. O casal teve três filhos, nenhum dos quais sobreviveu aos progenitores: Maria Luisa de Loureiro Relvas (1883 – 1896), Carlos de Loureiro Relvas (1884 – 1919), João Pedro de Loureiro Relvas (1887 – 1899).

A Casa dos Patudos foi residência de José Relvas desde os finais do século XIX até 1929, data da sua morte. Político, diplomata, estadista, lavrador, colecionador de arte e músico amador, José Relvas, proclamou a República a 5 de outubro de 1910.

José Relvas ocupou-se da gestão das propriedades da família a partir de 1882, tinha apenas 23 anos. O nome Quinta dos Patudos deve-se ao facto de existirem, naquela zona, muitos patos.

Foi Ministro das Finanças no Governo Provisório da República entre 1910 e 1911, tendo sido ele que instaurou o escudo em Portugal, foi embaixador de Portugal em Madrid e ainda na política, destacou-se como Chefe de Governo e Ministro do Interior (1919).

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A Casa dos Patudos

A escolha do Arquiteto para a Casa dos Patudos não terá sido difícil. José Relvas percebeu que Raul Lino, dotado de uma cultura europeia marcada pela robustez dos seus critérios e competências, representava o triunfo de um novo paradigma arquitetónico e de que a Casa dos Patudos haveria de ser o seu primeiro exemplar.

Os Patudos assinalam uma nova linguagem de Arquitetura Conceptual. Apropriada de referências nacionais, afirma-se com um certo despojamento decorativo exterior, mas esplendorosa e funcional nos seus espaços interiores, com um mobiliário, criado também pelo referido arquiteto.

O contínuo crescimento das coleções, levou José Relvas à remodelação da Casa. Em 1904 encomendou a Raul Lino, o projeto assente numa linha revivalista e nacionalista, fiel às constantes históricas da nossa tradição construtiva.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

A Coleção

A Casa dos Patudos foi inaugurada, como Museu, em 15 de maio de 1960. Aqui, encontra-se uma requintada sensibilidade artística, desde o mobiliário, às porcelanas, pinturas e tapeçarias que constituem o núcleo principal das obras de arte da coleção de José Relvas.

Na Casa dos Patudos - Museu de Alpiarça, encontra-se uma rica e vasta coleção composta por pintura, escultura e artes decorativas. Na pintura portuguesa destacam-se: Silva Porto, José Malhoa, Columbano Bordalo Pinheiro e Constantino Fernandes, além de notáveis artistas de escolas estrangeiras. Podem, ainda, ser apreciadas porcelanas de Sèvres e de Saxe, azulejaria, peças da Companhia das Índias, cerâmicas da Fábrica das Caldas da Rainha (Rafael Bordalo Pinheiro), Rato, Bica do Sapato e Vista Alegre (primitiva) e bronzes de Chapu, de Mercié e de Frémiet.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Arquivo Histórico da Casa dos Patudos

Pesquisa documental disponível em:

http://bma-catalogo.alpiarca.pt/docbweb


Projecto apoiado e co-financiado pela Fundação Calouste Gulbenkian

O Arquivo Histórico da Casa dos Patudos preserva um acervo documental legado por José de Mascarenhas Relvas (1858-1929). Por testamento lavrado em 1928, José Relvas legou a Quinta dos Patudos, a Casa, a colecção de arte, a biblioteca e o arquivo, ao Município de Alpiarça, impondo que a residência fosse conservada como museu e mantivesse a designação de Casa dos Patudos.

O acervo documental foi alvo várias intervenções parciais desde a década de 70 e motivou interesse da parte de investigadores da I República. Mas o trabalho sistemático realizado desde Abril de 2007, revelou a existência de importantes núcleos documentais relativos às actividades pessoais, políticas e empresariais de José Relvas e de alguns familiares e permitiu a visão geral de um conjunto documental que se revelou mais complexo e rico do que o que inicialmente se pensava. Constatou-se que a Casa dos Patudos conserva um Centro de Documentação, que integra um arquivo documental produzido por quatro gerações de Relvas, constituído por mais de 100.000 documentos; um Arquivo Fotográfico, com cerca de 5000 fotografias e Colecções (postais, menus, recortes de jornais, programas culturais e catálogos de exposições), além de uma biblioteca com cerca de 7.000 volumes e mais de 15.000 publicações periódicas.

O Projecto “Trabalho do coleccionador José Relvas”, apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian, no âmbito das bolsas de apoio a Arquivos Históricos permitiu a recolha sistemática, a sua classificação, digitalização e disponibilização para consulta on line de documentação relacionada com a actividade de coleccionador. São documentos dispersos por 10 séries documentais que reflecte a aquisição e a venda de objectos artísticos, os contactos com os artistas, antiquários e leiloeiras e a construção da Casa dos Patudos. A Casa que José Relvas mandou edificar a partir de 1905 para dar uma morada condigna à sua colecção de arte.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Contactos

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça

Rua José Relvas

2090-102 Alpiarça

Telf. 243 558 321
Fax 243 556 444

Email: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

Facebook: https://www.facebook.com/Casa-dos-Patudos-Museu-de-Alpiar%C3%A7a-318070581554575/

Blog: http://casadospatudos.blogspot.pt

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Horário de Funcionamento

Expediente: 9h-12h30 / 14h-17h30


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Museu e Loja

Horário:

Terça a Domingo
verão inverno
10h00 - 12h30
14h00 - 18h30
10h00 - 12h30
14h00 - 17h30

Encerra:

- à 2ª feira

- e nos dias: 1 de janeiro; domingo de Páscoa; 2 e 25 de abril; 1 de maio e dia de Natal.


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Preçário
2,50 Euros - entrada por pessoa
1,30 Euros - entrada por pessoa em grupo, previamente marcado.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Loja
Publicações, postais, réplicas e peças de artistas contemporâneos.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Biblioteca
Especializada em História e História de Arte.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Arquivo Histórico
Reúne documentação escrita e materiais fotográficos da História Contemporânea de Portugal.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Serviço Educativo
Visitas guiadas para o público em geral. Programas especiais de animação cultural e pedagógica, sobre coleções e exposições temporárias destinadas à comunidade escolar.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Atividades Temporárias
O Museu organiza exposições temporárias no âmbito das suas coleções, de outras e sobre História Local.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Polo Enoturístico
Capacidade - 200 Pessoas.

.