Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal

PEÇA DO MÊS DE MAIO 2017 - CASA DOS PATUDOS - MUSEU DE ALPIARÇA


.


Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça

Peça do mês – Maio

Retrato do Papa Clemente XIII

Óleo sobre tela

att. Escola Romana

Século XVIII

90 cm x 78 cm

CP – MA

Inv. Nº 84.1279

Carlo della Torre Rezzonico nasceu em Veneza, a 7 de Março de 1693. A 23 de Dezembro de 1731, com 38 anos, recebeu a ordenação presbíteral, tornou-se Cardeal da Cúria Romana dois anos depois. A 11 de Março de 1743 foi nomeado Bispo de Pádua, tendo recebido a Sagração Episcopal, a 19 de Março. Em 1758, após a morte do Papa Bento XIV, foi eleito Papa assumindo o nome de Clemente XIII.

O pontificado de Clemente XIII foi dominado pela questão dos jesuítas. Esta ordem fundada por Santo Inácio de Loyola tinha chegado ao século XVIII no apogeu do seu poder, tanto na política como na instrução. A maioria dos colégios europeus pertencia à Companhia de Jesus, o que provocava não apenas a revolta dos institutos laicos, mas também a rivalidade das restantes ordens religiosas. Tendo Clemente XIII estudado num colégio da Companhia de Jesus, percebe-se o motivo que o levou a apoiar os Jesuítas.

O novo Papa vê-se envolvido em várias crises internacionais, a começar com as autoridades portuguesas. Quando chegou a São Pedro, Clemente XIII, protestou contra o que considerou terem sido medidas demasiado severas contra os Jesuítas em Portugal (O Marquês de Pombal tinha colocado dezenas de Jesuítas num barco enviado para Roma, afirmando este é o nosso presente para o Papa).

Os Jesuítas, sendo incómodos politicamente, foram aproveitadas coincidências como tentativas de regicídio e pontuais maus comportamentos da Companhia de Jesus, para a eliminação desta instituição do nosso país, em 1758.

Clemente XIII faleceu a 2 de Fevereiro de 1769, aos 75 anos.

A obra da Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça foi adquirida por José de Mascarenhas Relvas em 1915 num salão de artes e antiguidades na Rua do Alecrim, a Luís M. da Costa. A pintura é de excelente qualidade e sem duvida o melhor dos vários retratos de Clemente XIII existentes em Portugal. A pintura não é cópia de nenhum original que se conheça e foi feita no âmbito de uma encomenda durante o pontificado de Clemente XIII, desconhecendo-se a data de chegada a Portugal. O retrato da colecção da Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça é de grande qualidade, estando fora do alcance de qualquer artista português, numa época em que os retratistas não existiam em Portugal e o retrato áulico era uma exclusividade estrangeira. Assim, é de considerar a possibilidade de ser mais uma versão de Mengs, que fez o primeiro retrato oficial de Clemente XIII, sendo o estilo e o detalhe das vestes papais coerente com a produção deste artista.

Na pintura apresentada, podemos ver o Papa Clemente XIII vestindo uma camisa branca de meias golas e um roquete de que apenas se vêem as rendas nos punhos, sobre o mesmo, uma murça de veludo vermelho abotoada e debruada com arminho. Completando o vestuário, a estola papal, de cor vermelha e imitando bordados a ouro com as armas do Papa. Clemente XIII ostenta ainda um camauro vermelho debruado a arminho. Sobre o peito, tem na mão direita um documento onde se lê: Clemens XIII P. M. Fastos Sanctorum Auget MDCCLXVII (Clemente XIII, Pontífice Máximo, Aumento do Calendário dos Santos, 1767), alusão à Bula de Canonização dos vários santos com que enriqueceu o calendário litúrgico no ano referenciado (S. José de Cupertino, S. Jerónimo Emiliano, Sta. Joana de Chantal, S. João Cancio, S. José de Calasanz e S. Serafim de Montegranaro) .

No dedo anelar nota-se um anel de ouro com uma grande pedra verde.

A moldura é lacada com pinturas tipo naif intervaladas com grandes ornatos e folhas de acanto num trabalho relevante em talha dourada, onde se destacam lóculos eventualmente para a colocação de Agnus Dei.

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça

.