Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal

PEÇA DO MÊS DE OUTUBRO DE 2018

.


Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça

Peça do mês – Outubro
Retrato da Família Relvas

Fotografia

Carlos de Mascarenhas Relvas

Século XIX

49.5 cm X 36.5 cm

CP – MA

Inv. Nº 85.351

Neste mês de Outubro damos a conhecer mais uma peça da colecção da Casa dos Patudos: um retrato da Família Relvas.

A fotografia foi tirada pelo pai de José Relvas, Carlos Relvas, no seu estúdio fotográfico, na Golegã. Nela podemos ver o proprietário da Casa dos Patudos junto da sua mulher, Eugénia Antónia da Silva Mendes de Loureiro Relvas, e os seus três filhos: Maria Luísa, Carlos e João Pedro, num cenário criado por Carlos Relvas.

José de Mascarenhas Relvas e D. Eugénia, primos em 2º grau, casaram a 5 de Fevereiro de 1882, na Golegã. Ele nasceu a 5 de Março de 1858, na Golegã, filho de Carlos e Margarida Relvas. Destacou-se precisamente neste mês de Outubro, em 1910, aquando do discurso da proclamação da República. Foi José Relvas que a 5 de Outubro, da varanda dos Paços do Concelho, em Lisboa, leu o discurso, ao povo, da proclamação da República. D. Eugénia nasceu em Viseu a 19 de Julho de 1865, filha de Antónia da Silva Mendes e de Luís de Loureiro Queiroz Cardoso Leitão, a quem foi atribuído o título de 1º Visconde de Loureiro, em 1866. A formação pedagógica e artística de D. Eugénia foi muito influenciada pela tia materna, D. Maria do Céu Mendes, pedagoga e pianista, com quem terá aprendido a tocar harpa e cítara.

Maria Luísa Loureiro Relvas nasceu a 31 de Outubro de 1883 e faleceu em Lisboa, onde se encontrava a estudar, vítima de febre tifoide a 28 de Junho de 1896. O seu irmão mais novo, João Pedro, nasceu a 18 de Novembro de 1887 e faleceu três anos depois da irmã, nas mesmas circunstâncias. Carlos Loureiro Relvas nasceu a 13 de Dezembro de 1884 e beneficiou, tal com o pai, de uma educação excepcional, frequentando o Curso Superior de Piano, em Leipzig. A partir de 1911, começa a ajudar o pai na gestão da Quinta dos Patudos. Carlos Relvas suicida-se aos 35 anos, a 14 de Dezembro de 1919.

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça