Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal

PEÇA DO MÊS DE NOVEMBRO DE 2018

.


Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça

Peça do mês – Novembro

Áspide mordendo Cleópatra

Caixa de Rapé

Att. a Tadeu de Almeida Furtado

Século XIX

2.4 cm X 7.9 cm

CP – MA

Inv. Nº 84.633

Em Novembro damos a conhecer mais uma peça da nossa coleção. A nossa escolha recaiu numa peça que era muito usada desde o século XVI, tanto pelos homens como pelas mulheres: uma caixa de rapé. Esta é do século XIX, em tartaruga e cobre, cujo tampo retrata a morte de Cleópatra.

O rapé é tabaco em pó para cheirar de origem sul-americana. Importado para a Europa no início do século XVI, foi introduzido na corte francesa por Jean Nicot que rapidamente descobriu os seus efeitos terapêuticos no alivio de enxaquecas e decidiu enviar pó de tabaco para a rainha Catarina de Médicis que sofria muito com estas dores de cabeça. Devido ao seu sucesso junto da rainha, o rapé popularizou-se, e rapidamente foi necessário encontrar um recipiente para colocá-lo.

A caixa escolhida para este mês retrata a morte de Cleópatra, última rainha do Egipto, que segundo a lenda se terá suicidado utilizando uma áspide (víbora). De forma a manter o seu poder, Cleópatra seduziu dois dos grandes líderes romanos: Júlio César, com quem teve um filho, e Marco António, com quem teve três. Estes foram entregues a Octávia, esposa legitima de Marco António, para estabelecer e consolidar alianças. Após a derrota perante Octávio, Marco António suicida-se e Cleópatra é capturada pelos romanos. Estes pretendiam exibi-la em Roma. Cleópatra consegue fugir aos captores e suicida-se. Diz-se que a rainha tinha estudado vários venenos e os seus efeitos, e por isso terá usado uma áspide que lhe foi entregue escondida num cesto.

No tampo da peça apresentada foi pintado o busto nu de Cleópata, apesar de se ver uma écharpe pelos seus ombros e costas. O seu braço esquerdo pousa sobre o apoio de um sofá creme e a sua mão segura a áspide que a morde. A pintura tem como fundo uns reposteiros verdes. A caixa com tampa é redonda em tartaruga, com bordas debruadas a latão, este é rodeado por uma cercadura geométrica também de latão.

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça