Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal

PEÇA DO MÊS DE MARÇO DE 2019

.


Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça
Peça do mês – Março
Retrato de José Relvas
Asterio Mañanos
Século XX
151cm x 102 cm
CP – MA
Inv. Nº 86.156

Apresentação no mês de Março de uma peça que retrata o proprietário da Casa dos Patudos, José Relvas (1858-1929). Esta encontra-se na Fundação José Relvas. É o retrato oficial enquanto Embaixador em Espanha (1911-1914), pintado pelo amigo Asterio Mañanos.

Relvas é retarado a corpo inteiro, cabelo escuro e barba. Traja roupa escura, com casaco. Usa alfinete de gravata e relógio de bolso.

O rosto é marcado por uma expressão tranquila bem trabalhado ao nível do desenho e da pincelada.

A relação entre Portugal e Espanha foi importante pelo trabalho desenvolvido por José Relvas, como político, esteta e colecionador. Um testemunho dessa aventura é a constituição da coleção de obras de arte de pintores espanhóis dos séculos XIX e XX que formou na Casa dos Patudos - Alpiarça. Esta foi resultante de aquisições em Portugal e Espanha durante mais de duas décadas, a que se juntaram algumas ofertas de artistas. Este acervo evidencia o gosto e os interesses do colecionador, assim como as diretrizes estéticas da época. As obras de arte espanholas existentes na coleção da Casa dos Patudos têm três áreas temáticas e diferentes géneros no universo pictórico: Paisagens e atmosferas, retratos e pintura histórica, religiosa, mitológica e de costumes. Após Augusto de Vasconcellos (1877-1951) ser nomeado Ministro de Negócios Estrangeiros, João Chgas que conhecia o talento diplomático de José Relvas, convida-o para ocupar o cargo de Embaixador em Madrid. Nomeado a 12 de Outubro de 1911, iniciando as novas funções logo no dia 19 desse mesmo mês. Desde muito cedo, Relvas nutria um sólido interesse pela arte espanhola, como documentam as aquisições a partir do ano de 1900 de diversas pinturas para a coleção. Em Espanha procurou o convívio de artistas, críticos, historiadores de arte. Frequentou exposições, obtendo várias peças. A partir de 1912, já bem integrado nos meios culturais, e motivado pelo gosto dá continuidade às aquisições, mantendo um critério rigoroso na seleção das obras de arte. Tinha a ajuda do seu filho Carlos de Loureiro Relvas (1884-1919), responsável pelos aspetos práticos das compras. Durante o período que está em Espanha (1911-1914) adquire um importante conjunto de obras de arte, destacando-se a mais emblemática da coleção da Casa dos Patudos: O Retrato de Domenico Scarlatti (1685-1757), atribuído a Domingo António Velasco, comprado em 1913.

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça