Ir para o conteúdo

Câmara Municipal de Alpiarça - Município de Alpiarça

Página principal

Gastronomia

Por: Emília Freilão*

Delicie-se com a nossa gastronomia e restaurantes que poderá visitar!


O delicioso Carneiro à Moda de Alpiarça e a Miga Fervida são alguns dos pratos que pode apreciar nesta Vila. Na doçaria, a escolha pode variar entre, Broas de Alpiarça, Quadradinhos de Alpiarça, Ferraduras, SS de Amêndoa e Pão-de-ló de Alpiarça.


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: PETISCOS:

- CARNE DA MATANÇA - Carne grelhada cortada em pedacinhos temperada com: alho, cebola, azeite, vinagre, sal e pimenta.

- BOLO DE SARDINHA - Pão de milho cozido em forno de lenha com sardinha e azeite incorporados.

- TIBORNA OU TORRICADO - Pão embebido em azeite que os lagareiros (trabalhadores dos lagares de azeite) costumavam comer depois de findos os seus trabalhos.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: PRATOS PRINCIPAIS ::.

:: CARNEIRO GUISADO À MODA DE ALPIARÇA



A receita do carneiro á moda de Alpiarça é uma receita familiar que é ensinada de geração em geração. Receita esta, que pertenceu a D. Laura das Bodas e que a ensinou a sua filha D. Maria Luísa Louro que se dedicou durante anos a preparar festas de casamentos.
No dia do casamento de manhã os convidados dirigiram-se a uma casa comunitária onde se realizava a boda para comer este delicioso pequeno almoço. Caiu em desuso, mas hoje já se está novamente a recuperar esta tradição. Este é um prato de excepção que tem segredos na confecção para além de cozinhado em lume de lenha. pode ser acompanhado só com pão (como era uso) ou com batata cozida.

Carneiro à moda de Alpiarça:


1,5 Kg carne de carneiro
½ Kg de banha
3 cebolas
5 dentes de alho
1 dl de vinho branco
1 ramo de salsa 1 colher de sopa de pimenta
1 colher de sopa de colorau, sal e pimenta q.b.


Preparação:
Corta-se a carne em pedaços de 30 a 40 gr cada. Num tacho leve ao lume a banha, a cebola, o alho e a salsa tudo picado, deixa-se refogar um pouco e junta-se a carne e todos os temperos. Mexe-se bem e deixa-se refogar mais um pouco. Por último deita-se o vinho.
Tapa-se e deixa-se guisar o tempo necessário até a carne estar cozida.

É acompanhada com batata cozida mas, em separado.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: MIGA FERVIDA COM BACALHAU ASSADO OU SARDINHA ASSADA

- Prato tradicionalmente feito pelos trabalhadores agrícolas - Couve a murro, batata, pão de milho, pão de trigo, alho e azeite (bem mexido). Este era um prato essencialmente feito por homens, normalmente era escolhido o homem que tinha mais jeito entre todos do rancho.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

::SOPA DE ARROZ COM FEIJOCA

- Com peixe frito (carapaus, sardinhas, filetes de sardinha, enguias... etc.) bacalhau albardado, pasteis de bacalhau...

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .



:: MASSA À BARRÃO

- Em tempos recuados quando o trabalho agrícola era feito manualmente e era abundante, haviam migrações. Gaibéus, Barrões e outros que demandavam Alpiarça. Este é um prato que eles deixaram na gastronomia local - Batata às rodelas, tomate, massa grossa, bacalhau e ovo.


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: MOLHINHOS GUISADOS

Com batata, com feijão ou em sopa (feijão, massa ou couve) ou ainda à jardineira

- Tradicional: Tripa e bucho de borrego em forma de molhinho.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: SOPA DA MATANÇA

- Usada nas matanças de porcos - Nabiça, arroz, batata, tripa e bucho de porco e enchido

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: PAPAS DE ABÓBORA

- Com carne magra ou courato grelhados

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: SOPA DE CASTANHAS

- Castanhas piladas cozidas ora com arroz ora com feijão

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: CACHOLA

- Miudezas de porco (fressura, fígado, coração...) guisado com batatas.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

:: DOCES ::.

SS de Amêndoa



- 250 gr amêndoa descascada
- 250 gr de açúcar
- 1 colher de chá de canela
- 2 colheres de sopa de manteiga
- 3 claras
- 1 colher de sobremesa de farinha

Preparação:

Mói-se a amêndoa com a pele, juntam-se todos os ingredientes e leva-se a cozer sem deixar pegar.
Quando a massa estiver cozida, deixa-se arrefecer e tendem-se os SS envolvidos em farinha, açúcar e canela.
Levam-se ao forno a cozer.

Receita gentilmente cedida pela Sr.ª Emília Geraldes

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Pão-de-ló de Alpiarça

- 14 gemas
- 4 claras
- 300 gr de açúcar
- 150 gr de farinha

Preparação:

Batem-se as gemas e as claras com o açúcar durante 1 hora à mão (20 minutos na batedeira eléctrica).

Junta-se a farinha peneirada e bate-se um pouco mais. Deita-se a massa numa forma redonda muito bem untada. Leva-se a cozer em forno moderado.

O pão-de-ló não deve ficar seco.

Retirado de "Cozinha Tradicional Portuguesa" de Maria de Lourdes Modesto


. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Patudos

- 500 g de açúcar
- 180 g de amêndoa
- 60 g de doce de Chila
- 20 gemas
- 4 ovos
- 1 colher de chá de pitina
- Manteiga para untar
- Açúcar para polvilhar


Preparação

Leva-se o açúcar ao lume até atingir ponto pérola, junta-se amêndoa, a pitina e a chila.
Junta-se os ovos batidos com as gemas, misturando bem, retira-se do lume.
Unta-se com manteiga um tabuleiro e deita-se o preparado. Leva-se ao forno 50 minutos em temperatura média.
Depois corta-se em quadradinhos e polvilha-se com açúcar.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .


Ferraduras (Bolos de noivo)


- 1,5 Kg de farinha de trigo
- 1 kg de açucar
- 10 gr de fermento de padeiro
- 3 paus de canela
- 125 gr de manteiga
- 3 limões
- sal
- 1 colher de chá de bicarbonato de sódio
- 4 colheres de azeite
- Gemas de ovos para pincelar


Preparação:
De véspera peneira-se a farinha. Deita-se um terço da farinha num alguidar e faz-se uma cova no meio, onde se deita o fermento desfeito num pouco de água tépida. Mistura-se tudo e junta-se água morna de modo a obter-se um massa dura. Abafa-se a massa e deixa-se ficar assim até ao dia seguinte. Esta operação dispensa-se substituindo esta massa de fermento por igual porção de massa de pão comprado na padaria. Os bolos ficarão mais finos feitos como acima se descreveu. No dia seguinte, leva-se ao lume a água, a canela, a casca de limão e o sal (cerca de uma colher de sopa). Ferve um pouco, retira-se do lume e junta-se a manteiga.

Num outro alguidar tem-se a restante farinha com o açúcar, o bicarbonato e a raspa da casca de dois limões. Mistura-se tudo e junta-se o azeite e a massa de fermento e, a pouco e pouco, a calda que se preparou, ao mesmo tempo que se vai amassando, mantendo sempre a massa dura. Esta massa leva cerca de 45 minutos a amassar. Quando a massa fizer bolhas, está pronta. Alisa-se e unta-se a superfície com um pouco de azeite. Tapa-se com um pano e embrulha-se num cobertor. Deixa-se levedar em local temperado durante 1 a 2 horas. Passado este tempo, verifica-se a fermentação da massa cortando um bocadinho com uma faca. Se a massa se apresentar arrendada, está pronta para tender.

Tomam-se então bocados de massa, que se tendem em forma de ferradura. Com uma tesoura dão-se uns golpes na parte superior. Pincelam-se com gema de ovo e levam-se a cozer em forno forte durante de 15 minutos.

Depois de cozidos, ao saírem do forno limpam-se os bolos com um pano e untam-se com manteiga. Colocam-se em tabuleiros forrados com papéis recortados e enfeitam-se com flores e folhas de laranjeira. Estes bolos são vendidos nas feiras e mercados da Estremadura com o nome de «parrameiros». Levam obrigatoriamente erva-doce, o que raramente acontece com os bolos de noivo.


* Cozinheira do restaurante "Casa da Emília".