Saltar para o conteúdo principal

Câmara Municipal presente no Plenário de utentes de saúde de Alpiarça

 

Realizou-se no passado sábado, dia 21 de Janeiro, um Plenário de utentes de saúde de Alpiarça.

Na sequência do convite feito à população pela Comissão de Utentes, o salão da Casa do Povo encheu por completo para discutir as questões relativas ao funcionamento do Centro de Saúde, ao pessoal médico e de enfermagem, ao recente aumento brutal das taxas moderadoras no acesso aos cuidados de saúde nos hospitais e centros de saúde, bem como as limitações impostas pelo Governo ao transporte de doentes para tratamentos.

Presente nesta reunião plenária, o Presidente da Câmara, Mário Fernando Pereira, interveio lembrando a responsabilidade e a obrigação do Poder Central, do Governo, na prestação de um serviço de qualidade a todos os portugueses, princípio inscrito na Constituição da Repúblicaresultado de uma prolongada luta dos portugueses e que se traduziu na criação de um Serviço Nacional de Saúde assumido como uma conquista da Revolução de Abril. Referiu ainda que “não sendo a saúde uma competência das autarquias, cabe no entanto aos eleitos locais tomar posições e agir junto do poder central no sentido de defender os direitos e solucionar os problemas das suas populações; é isso que esta Câmara Municipal tem feito e está a fazer; é o que estou hoje aqui a fazer, ao lado da população”.

Perante os problemas existentes de falta de médicos ao longo de vários anos, o actual executivo da Câmara Municipal assumiu em finais de 2009 o pagamento das despesas de habitação de 2 médicos de nacionalidade cubana colocados no Centro de Saúdedespesa que deveria caber ao poder central – porque estava em causa um valor essencial: a saúde dos alpiarcenses. Esta decisão, reforçada pelo bom trabalho desenvolvido pelos 2 médicos cubanos, aspecto por todos reconhecido, contribuiu decisivamente para a substancial melhoria verificada na prestação de serviços de saúde em Alpiarça, muito acima da realidade vivida em muitos outros concelhos da região e do País. Não sendo ainda a situação ideal, passou-se de cerca de 4000 alpiarcenses sem médico de família em 2009 para 280 neste momento.

Colocando-se a eventualidade da saída destes 2 médicos e o regresso ao seu país, o Presidente da Câmara disse “estar a acompanhar a situação desde há vários meses e que existem garantias de que a saída prevista da Drª Mercedes Garcia e do Dr. Jorge Sobriño só ocorrerá após a chegada de Cuba de novos médicos para assegurar o serviço. A Câmara continuará a acompanhar esta situação e a exigir, em conjunto com a população de Alpiarça, o direito a melhores condições no acesso à saúde, tendo já, para esse efeito, solicitado uma reunião ao Secretário de Estado Adjunto da Saúde.”

A concluir a sua intervenção, o Presidente referiu que “é importante perceber que os ataques de que tem sido alvo o SNS não podem ser dissociados de outras medidas convergentes contra os elementos mais representativos das conquistas de Abril e da nossa Democracia, de que são exemplo vários serviços públicos como a segurança social, os correios e transportes, a educação, entre outros”, instando os presentes a manterem a atenção e a mobilizaram-se para defender os serviços públicos de proximidade, quando necessário, no que terão sempre o apoio da Câmara Municipal de Alpiarça.


voltar ao topo