Saltar para o conteúdo principal

Peça do Mês de Julho de 2021

 

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça
Peça do mês – Julho

Espelho de Água (Maiorca)
Pintura a óleo sobre madeira
Mário Augusto

1927
52,8 cm X 47 cm
CP – MA
Inv. Nº 84.793

 


 

Neste mês de Julho, já em pleno Verão, apresentamos a obra Espelho de Água (Maiorca), da autoria de Mário Augusto. Nesta obra o artista retrata a região de onde é natural, o concelho da Figueira da Foz. Mário Augusto dos Santos, nasceu no dia 23 de Julho de 1895, em Alhadas, Figueira da Foz. Durante a sua juventude, conciliou a ajuda ao seu pai na carpintaria com o seu gosto pelo desenho. Com 16 anos vai para Lisboa, para desenvolver competências e novas aprendizagens de pintura.
Destacou-se no meio artístico devido à harmonia das cores e à delicadeza do estilo, pois este desenvolvia as suas próprias técnicas, apostando sempre na aprendizagem e na excelência.
A sua primeira exposição data de Maio de 1920 na 17ª Exposição da Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, onde recebeu uma Menção Honrosa.
O ano de 1931 foi bastante importante pois foi quando se consagrou como pintor e um dos seus quadros foi adquirido pelo Estado para o Museu Nacional de Arte Contemporânea. Mário Augusto faleceu a 18 de Agosto de 1941, na sua terra natal, em sua homenagem foi criado o Círculo Artístico Mário Augusto, que tinha como objetivo continuar o trabalho desenvolvido pelo pintor.
A obra de arte Espelho de Água apresenta-nos um pormenor de Maiorca, em que o casario limita o recorte da ponte, que serve de via entre as margens do ribeiro de Seda. Os tons de verde, branco e vermelho contrastam com as cores sombrias da ponte e do ribeiro.
A pintura está assinada e datado de 1927, no tardoz tem uma inscrição: Setembro 1927, Maiorca, Mário Augusto, Nº5. Em Agosto de 1928, na 25ª Exposição de Arte da Sociedade Nacional de Belas Artes apresentou esta obra, que foi adquirida no próprio certame, por José Relvas, o quadro custou-lhe 1.500$00.

 

Casa dos Patudos – Museu de Alpiarça


 

  

 

voltar ao topo